Compartilhar é se importar!

Você sabe como funciona o Minha Casa Minha Vida? O sonho de milhares de brasileiros de conquistar uma casa própria tem se tornado possível graças a essa iniciativa do Governo Federal. Em suma se você também almeja essa conquista, é importante estar por dentro do assunto!

Nós sabemos que ainda existem muitas dúvidas sobre o programa e seus requisitos, e por isso trouxemos aqui um conteúdo informativo sobre o assunto. Logo a  intenção é deixar você a par do programa e suas recentes alterações, tornando possível realizar esse sonho o mais rápido possível.

O que é e como funciona o Minha Casa Minha Vida?

De antemão criado pelo Governo Federal em 2009, o Minha Casa Minha Vida tem a finalidade de oferecer às famílias de baixa renda oportunidades mais atrativas de financiar e adquirir sua casa ou apartamento próprio.

De lá para cá, o programa que tem parceria com empresas, entidades sem fins lucrativos estados e municípios já entregou mais de 2 milhões de casas pelo Brasil. Em conclusão ajudando significativamente a vida de muita gente.

Os recursos envolvidos e a quantidade de famílias beneficiadas o colocam entre os maiores programas habitacionais do mundo. Aliás, segundo a Caixa Econômica Federal, ele já alcança 96% dos municípios do país e tem uma meta de construção de mais 2 milhões de casas até 2018.

Em conclusão o que era bom ficou ainda melhor. Em março de 2017, o Governo Federal anunciou mudanças que prometem assegurar que mais famílias sejam enquadradas nos requisitos, aproximando-se ainda mais da realidade do mercado imobiliário.

A seguir, você vai entender melhor todas essas mudanças.

Quem pode participar? Conheça as novas faixas de renda do Minha Casa Minha Vida!

Uma das mudanças mais significativas implementadas em 2017 foi a atualização das faixas de renda das famílias que têm direito aos benefícios do programa. Como você sabe, com o passar do tempo, é normal que a renda familiar aumente, mas as antigas regras não acompanhavam esse movimento.

Diante disso, o Governo providenciou uma atualização das regras e ampliou tais limites. Para que você compreenda melhor como isso favoreceu a realização do sonho de mais brasileiros, o limite máximo, que antes era de R$ 6,5 mil por mês, agora passou para R$ 9 mil mensais.

Sendo assim milhares de famílias recebem a possibilidade de aderir ao programa e isso demonstra como o sonho da casa própria pode ser uma realidade na vida de mais pessoas.

Quer saber mais? Conheça quais são os limites de renda familiar para financiamento:

  • faixa 1: famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil;
  • faixa 1,5: famílias com renda mensal de até R$ 2,6 mil (antes era R$2.350);
  • faixa 2: famílias com renda mensal de até R$ 4 mil (antes era R$ 3,6 mil);
  • faixa 3: famílias com renda mensal de até R$ 9 mil (antes era R$ 6,5 mil).

Além disso, o Ministério das Cidades informou as taxas de juros a serem praticadas em cada uma dessas faixas:

  • faixa 1,5: 5% ao ano;
  • faixa 2: varia de 5,5% a 7% ao ano;
  • faixa 3: para renda de até R$7 mil, a taxa é de 8,16%. Acima disso será de 9,16% ao ano.

Portanto, o que se percebe é que mais pessoas serão beneficiadas pelo Programa Minha Casa Minha Vida, o que justifica a projeção de aumento de unidades para o ano de 2018.

Se você está buscando meios de concretizar o sonho da casa própria e se encaixa em alguma das faixas indicadas acima, continue atento a este post e descubra como participar!

Quais valores de imóveis podem ser financiados?

Assim não foram só as faixas de rendas que sofreram alterações: o Governo Federal também modificou os valores dos imóveis que podem ser financiados pelo programa da Caixa Econômica Federal.

Nesse caso, também podemos perceber que as novas regram visam adequar os limites de financiamento aos preços praticados no mercado. Isso porque algumas pessoas estavam com dificuldades de encontrar imóveis nos valores exigidos e, por isso, deixavam de adquirir seu imóvel próprio.

Acompanhe a seguir os novos valores e veja como ficou mais fácil sair do aluguel:

  • DF, RJ e SP: imóvel de até R$240 mil;
  • capitais do Sul, ES e MG: imóvel de até R$ 215 mil;
  • demais capitais: imóvel de até R$ 190 mil;
  • municípios com mais de 100 mil habitantes: imóveis entre R$160 e R$180 mil, a depender da região;
  • municípios com população entre 50 e 100 mil habitantes: imóveis entre R$130 e R$ 145 mil, a depender da região;
  • municípios com população entre 20 e 50 mil habitantes: imóveis entre R$100 e R$110 mil, a depender da região;
  • demais municípios: imóveis de até R$ 95 mil.

O que fazer para participar do programa minha casa minha vida?

Agora que você já conhece as faixas de renda que podem participar do Programa Minha Casa Minha Vida. Em suma bem como os valores dos imóveis que podem ser financiados, confira os principais pré-requisitos a serem cumpridos.

Sua família possui uma renda mensal de até R$ 2,6 mil? Nesse caso, você deve procurar a prefeitura de sua cidade e realizar um cadastro. Esse órgão lhe fornecerá todas as informações e orientações quanto à seleção dos interessados e o sorteio dos imóveis.

Mas se sua família está acima desse limite e possui mensal bruta de até R$ 9 mil basta se dirigir até uma construtora credenciada do Programa. Ou uma agência da Caixa Econômica Federal para fazer uma simulação e avaliação de crédito.

Há restrições para o beneficiário, além da renda estipulada?

Importante ressaltar que existem algumas restrições para poder ser um beneficiário no Programa. Confira se você se enquadra em alguma dessas situações:

  • ter imóvel próprio em seu nome;
  • já ter recebido recursos para financiamento habitacional do governo;
  • ter restrições de crédito em seu nome;
  • ser menor de 18 anos;
  • ter utilizado o FGTS para financiar um imóvel nos últimos 5 anos.

Qual documentação você precisa apresentar?

Para finalizar este post, trouxemos a relação de documentos que uma pessoa interessada precisa apresentar ao candidatar-se. Segue aos benefícios do Programa Minha Casa Minha Vida:

  • RG;
  • CPF;
  • certidão de casamento ou nascimento;
  • ficha de cadastro habitacional;
  • seis últimos comprovantes de renda;
  • comprovante de residência atualizado;
  • extrato do FGTS atualizado;
  • cópia da carteira de trabalho (CTPS);
  • declaração do imposto de renda.

Mas fique atento! É importante esclarecer que outros documentos podem ser exigidos, de acordo com as especificidades de cada contemplado.

Compartilhar é se importar!

Participe da discussão

2 comentários

  1. Olá..eu vi por esse meio para dizer q acredito muito no programa minha casa minha vida .exclusivo tenho irmas e subrinhos q ganharam apartamentos e hoje eles moram no q é seu sem preocupação de pagar aluguel .e tenho fé q vou poder ganhar tambem .

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *